O que é Escoliose?

Atualizado: 15 de Jan de 2020

Antes de definir o que é escoliose, vamos falar um pouco sobre nossa coluna vertebral. A coluna é o eixo central do esqueleto humano. Trabalhando em conjunto com músculos, ligamentos e nervos, ela é responsável por nos manter em postura ereta, movimentar nosso tronco e membros, proteger a medula espinhal dentre outras funções.

Em todo processo de crescimento e desenvolvimento motor, a coluna se adapta as cargas e posições, formando curvas ditas fisiológicas (normais), com o objetivo de manter nosso equilíbrio e distribuir a descarga de peso que a gravidade exerce sobre nosso corpo.

Em uma vista pela lateral (eixo sagital) temos então estas curvas fisiológicas: a lordose cervical (região do pescoço), cifose torácica (região do tórax) e lordose lombar (região da barriga e cintura).

Quando há curvaturas “não naturais” no plano frontal (coluna vista de frente), ou seja, curvas laterais na espinha, dando a ela um aspecto de letra “C” ou “S”, denominamos estes desvios de escoliose.

Esta é uma visão simplificada da patologia, que estruturalmente, compreende em alterações nas três dimensões e planos de movimento das vértebras e tronco. Estas alterações modificam os aspectos funcionais da coluna (que estão relacionados às alterações posturais) e os aspectos estruturais (adaptações mecânicas de discos intervertebrais, vértebras e costelas).

Em dados divulgados pela OMS (Organização Mundial da Saúde), a escoliose é uma patologia que acomete cerca de 2% da população mundial. Segundo a ONU (Organização das Nações Unidas), no ano de 2017 a população global era de aproximadamente 7,6 bilhões de habitantes, ou seja, estima-se que 380 milhões de pessoas no mundo têm escoliose.

Por ser uma doença que não causa morte, não contagiosa, e na maioria das vezes não provoca dor e limitações nas atividades de vida diária, é negligenciada pelo Governo, Saúde Pública e população, dando margem à incompreensões e dúvidas em relação a patologia.

Por definição feita em 2011 pela Sociedade de Tratamento Ortopédico e de Reabilitação da Escoliose (SOSORT), a escoliose é uma “deformidade tridimensional em torção da coluna vertebral e tronco”.

A mesma sociedade atualizou em 2018 a definição da escoliose para “Escoliose é um termo geral que compreende um grupo heterogêneo de condições que consistem em mudanças na forma e na posição da coluna, do tórax e do tronco”.


Podemos classificá-la em:


1. Escoliose Funcional (atitude escoliótica): a estrutura óssea das vértebras se mantém preservadas e a atitude escoliótica se dá devido a um problema secundário, como por exemplo, uma diferença de membros inferiores ou uma postura antálgica da coluna.

2. Escoliose Estrutural: há uma deformidade óssea instalada devido a

a. Causas conhecidas (20% dos casos): como alterações congênitas, neurológicas ou de tecidos conectivos.

b. Causa idiopática (80% dos casos): ou seja, sua origem ainda é desconhecida.

Para avaliar e conduzir da melhor forma este paciente, o trabalho em equipe envolvendo um fisioterapeuta qualificado e capacitado no tratamento específico da escoliose, quanto médico ortopedista e ortesista se faz necessário.


Uma vez detectada a origem da Escoliose Funcional, as curvas funcionais são flexíveis e podem ser corrigidas com tratamento conservador adequado.

Já para as escolioses Estruturais, o tratamento conservador não terá como objetivo a correção total da curva, e sim, estabilizá-la a fim de evitar a sua progressão.

Falando sobre o tratamento, especificamente nos casos da escoliose idiopática (80% dos casos das escolioses estruturais), nos últimos anos, com a prática clínica e o respaldo científico, os “Exercícios Fisioterapêuticos Específicos para Escoliose” (como o método alemão Schroth) mostram-se eficientes no tratamento conservador das escolioses idiopáticas, melhorando a estética do paciente e a qualidade de vida em uma abordagem biopsicossocial.

Além destes exercícios, o uso de colete muitas vezes se faz necessário e somente em casos muito específicos, o tratamento cirúrgico é recomendado.

A escoliose idiopática se manifesta e pode ser detectada mais comumente na infância e adolescência e têm maior prevalência no sexo feminino.

Quanto mais precocemente diagnosticada, maiores as chances de uma boa evolução no tratamento e possibilidades de se evitar as complicações da doença.

Uma família bem informada e o comprometimento do paciente, serão sempre peças fundamentais para o sucesso.

Vejam maiores informações nos próximos artigos escritos por nossos fisioterapeutas especializados no tratamento conservador da escoliose.









Conteúdo Autoral desenvolvido pela Dra.Aline Granato Barbosa



365 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
DÚVIDAS FREQUENTES

O “Tratando Escoliose” tem como objetivo compartilhar informações de cunho clínico e cientificamente comprovadas a respeito da escoliose e seu tratamento. Além disso, disponibilizamos uma lista de profissionais qualificados, com certificações oficiais e seus contatos.

FALE CONOSCO
  • Facebook - círculo cinza
  • Instagram - Cinza Círculo
Agência Portátil ©2019 Sociedade Sul-Americana de Fisioterapia - Especializada em Escoliose. Todos os direitos reservados.